• Rafael Assumpção

6 dicas para as mamães empreendedoras




As famílias brasileiras possuem estruturas muito diversas e isso enriquece muito nosso povo e nossa cultura.

Famílias grandes, pequenas, famílias em que os avós moram juntos com filhos e netos, famílias com filho único, famílias onde as mães acumulam o papel de pai e de mãe, e famílias onde a mulher cuida da casa e das crianças.


Em muitos casos, as mulheres que atuam no lar, cuidando da família, sem um emprego formal, o fazem pelo desejo de se dedicar à criação dos filhos, de estar presente para cuidar de seu desenvolvimento.


Mas também é frequente o desejo de realizar suas ambições profissionais e pessoais que vão além dos afazeres domésticos e familiares.

As mulheres querem ter sua liberdade financeira, querem testar seus limites, querem alcançar seus próprios objetivos.


É por isso que tantas mamães estão se tornando empreendedoras e desenvolvendo negócios caseiros, para que possam unir o melhor dos dois mundos: cuidar dos filhos e alcançar seus objetivos financeiros ou profissionais.

Apesar de árduo, esse caminho pode ser muito recompensador, ainda mais se você pensar que essa dupla-jornada vai te permitir realizar todos os seus sonhos!


No artigo desta semana, eu selecionei 6 dicas e conselhos para as mamães que já são ou querem se tornar empreendedoras.

Tudo o que escrevo aqui é baseado nos conselhos e orientações que usei tanto para criar o Sky Light Studio como também para ajudar minha esposa a criar e desenvolver seu negócio de produtos para mesa posta, a Mesa do Vale.


Claro que as dicas que apresento aqui não representam tudo o que você precisa para montar um negócio de sucesso, mas serão um ótimo ponto de partida para que você se organize e comece a dar os seus próprios passos mais tarde.


Preparada para mudar de vez a sua vida? Então venha conferir essas dicas.




1- Pense simples!

A maioria das pessoas não consegue sair do lugar na hora de criar seu próprio negócio porque tem dificuldade de pensar em soluções simples para necessidades cotidianas.

Você não precisa inventar uma máquina do tempo para montar um negócio de sucesso.

Nem precisa ser um gênio do mundo digital para criar algo que as pessoas vão desejar.

Na maior parte das vezes, as coisas mais simples são as mais essenciais.

Muito provavelmente, o mercadinho na esquina do seu quarteirão é muito mais importante para a sua casa do que o aplicativo do iFood.

Portanto, concentre-se em coisas simples, que sejam fáceis das pessoas entenderem o que são e como funcionam. Não há nada pior do que ter um produto ou serviço que seja complicado e que as pessoas não entendam.

Artesanato, comida, revenda de produtos, aulas particulares, palestras ou consultorias.

Crie um negócio que tenha um objetivo muito claro e direto para que seja fácil de comunicar e divulgar.

“A missão do Sky Light Studio é construir lembranças que permitam a todas as mulheres reviver para sempre a admiração e o orgulho da conquista que é tornar-se mãe, através de obras fotográficas exclusivas, que capturam toda sua força, beleza e personalidade.”

Você precisa definir o que é o seu negócio numa única frase, ou então ele estará muito complicado para ser explicado aos seus clientes.





2- Sua casa é sua fábrica

Se você vai operar seu negócio em casa, é muito importante fazer uma separação física e temporal do seu ambiente de trabalho.

O ideal é separar um quarto ou cômodo que possa ser totalmente dedicado ao seu negócio, mas sei bem que nem sempre isso é possível.

Ao menos, tente organizar o seu “cantinho”, um pequeno local na casa onde você possa reunir tudo o que vai precisar usar, seja uma mesinha com computador, ou uma bancada com máquina de costura e vários acessórios.

Depois que tiver feito essa separação física, é hora de estabelecer os seus horários de trabalho, de forma que os afazeres da casa e dos filhos não atrapalhem as atividades do seu negócio, e vice-versa.

Meu conselho é que você tente manter as atividades do seu negócio logo no início da manhã.

Eu acordo todos os dias às 05:30 para iniciar minha rotina. Assim, quando minhas filhas acordam por volta das 08:00, eu já adiantei uma boa parte do trabalho.

Recomendo muito o livro “O Milagre da Manhã”, do autor Hal Elrod. Foi um livro que realmente mudou minha vida e me tornou muito mais produtivo.





3- Todo mundo precisa de ferramentas

É normal que as primeiras ideias sobre seu negócio sejam de produzir coisas artesanais (roupas, bichinhos de pelúcia, itens de decoração), ou prestar algum serviço para proveito pessoal do cliente (manicure, maquiagem, massagem).

Não há nada de errado com essas e outras atividades, mas, se possível, tente pensar em como os seus conhecimentos e habilidades poderiam ser usados como ferramentas para outras pessoas, de forma a ajudá-las a gerar mais valor e retorno em seus negócios.

Ao invés de maquiar as pessoas (que é um serviço prestado diretamente e cujos benefícios duram pouco tempo), você poderia dar um curso de automaquiagem (de forma que suas clientes pudessem se beneficiar por tempo indeterminado do conhecimento que vão adquirir).

Ao invés de produzir itens artesanais para vender diretamente ao cliente final (onde você precisaria cuidar de todos os aspectos da produção e ainda por cima precisaria cuidar de toda a divulgação, vendas e atendimento individual) , você poderia fornecer produtos personalizados para lojas e prestadores de serviço (e eles então é que vão cuidar de atender os clientes finais, reduzindo seus custos e otimizando seu trabalho).

Enfim, quando você se torna uma ferramenta, seja para uma outra pessoa ou para outro negócio, seu trabalho se valoriza e passa a ser visto como um investimento, e não como um gasto. Por isso, vale a pena dedicar um tempo para pensar em formas de transformar seu produto/serviço numa ferramenta.





4- Por onde começar?

Depois que você decidir o que quer fazer e já tiver conseguido definir isso numa única frase, é hora de planejar tudo e começar a tornar seu negócio realidade.

Nessa etapa, você precisa se organizar e se dedicar com muita seriedade. Você precisa assumir um compromisso com você mesma.

Você precisa ver cada atividade do seu negócio como tão importante quanto alimentar seus filhos!

Sem esse senso de urgência, seu negócio corre o risco de ficar em segundo plano ou mesmo ser abandonado.


Eu selecionei alguns links de vídeos do Youtube que falam sobre como montar planos de negócio e como iniciar todo o planejamento necessário:

(Como Criar Um Plano de Negócios Eficaz em 7 Passos)

(Flávio Augusto, Geração de Valor: como começar a empreender?)

(CANVAS NA PRÁTICA! Não comece o seu negócio sem ele!)





5- Se não sabe fazer algo, contrate alguém que faça por você

Depois de passar por todas as outras dicas, inevitavelmente você vai acabar conseguindo definir e planejar o seu negócio.

Mas ainda tem um obstáculo que faz muita gente desistir no meio do caminho: não saber fazer alguma coisa que seja essencial para o negócio.

Talvez você queira ser uma estilista, mas não saiba costurar, ou talvez queira vender salgadinhos, mas não saiba cozinhar.

Claro que é muito mais conveniente montar um negócio onde você domine todas as etapas de produção, mas caso você não saiba fazer algo essencial, não se preocupe. Terceirize!

As relações de trabalho vêm evoluindo ao longo do tempo, de forma que cada vez mais as atividades das empresas vão sendo transferidas para fornecedores terceirizados.

Essa estratégia permite que as empresas desenvolvam suas equipes para tratar apenas das atividades que considerem mais vitais para o negócio, enquanto todas as demais são delegadas.

Por isso, logo após você listar todas as atividades necessárias para o funcionamento do seu negócio, identifique todas aquelas que você não sabe fazer ou que talvez não possa executar por algum outro motivo.

Para todas essas atividades identificadas, você precisa achar alguém com quem possa construir uma parceria para poder fazer seu negócio funcionar.

Mas não estou falando de sair por aí contratando funcionários e assinando carteiras. Talvez mais pra frente, quem sabe? Por enquanto, o que você precisa é de prestadores de serviços que atuem sob demanda. Assim, os custos dessas atividades se tornam variáveis, e não fixos.

O que isso significa? Que você só paga por aquilo que seu cliente encomendar/consumir. Se não vender, não tem custo.

Usando os exemplos acima, é como se você achasse uma costureira e combinasse os preços de produção das peças da sua coleção, para que você possa fazer encomendas pra ela de acordo com os pedidos que você receber dos seus clientes, ou então como se você combinasse com uma cozinheira de preparar os salgadinhos de acordo com a demanda dos seus clientes.

Aqui no estúdio, por exemplo, eu tenho parcerias com profissionais que podem executar as mais variadas atividades: maquiagem, cabelo, assistente durante os ensaios, consultoria de imagem, produção, filmagem, tratamento de imagens, etc. Assim, eu tenho mais tempo para me concentrar na fotografia. Já imaginou se nossas gravidinhas dependessem de eu aprender a fazer a maquiagem para os ensaios? rsrs





6- Montando a sua vitrine

Quando o seu negócio já estiver todo planejado e tudo começando a entrar em funcionamento, chega a parte de divulgação e venda.

E acredite, essa é a parte que mais assusta a maioria das pessoas.

Quem nunca lidou com vendas sabe muito bem o desafio que é lidar com o público. Temos receio de não agradar, muitas vezes achamos que nosso produto/serviço ainda não está bom o suficiente para que outras pessoas queiram comprar, e tem até quem tenha vergonha de realizar uma venda.

Eu sei bem como é a sensação. Foram anos de muito esforço, muita dedicação e muitos cursos pra poder finalmente me sentir à vontade ao realizar qualquer tipo de venda ou negociação.

Mas a parte boa é que o mundo digital facilita bastante a divulgação e propaganda dos negócios, e muitas vezes os clientes já nos procuram com toda a vontade necessária para adquirir nossos produtos, sem que a gente precise negociar ou convencê-los.

Para conseguir chegar nesse ponto, é importante construir toda uma base de informação e divulgação do seu trabalho, que seja facilmente acessível e compreensível para seus potenciais clientes.

Comece criando um perfil do seu negócio em cada uma das principais redes sociais: facebook, instagram, twitter, youtube e google meu negócio.

Depois, se possível (muito recomendável), registre seu domínio na internet e crie um site. Isso passa um nível muito mais profissional para seus clientes, sem contar que no seu site, quem manda é você. Você não precisa ficar obedecendo as regras e limitações das redes sociais.

Além disso, no seu site você terá a liberdade de criar várias páginas para explicar seu negócio e sua linha de produtos/serviços.

O próximo passo é preencher todos esses perfis e páginas com muita informação e fotos.

Fotos do seu produto. Fotos do seu produto sendo produzido, fotos dele sendo usado, fotos dele na embalagem, se preciso, fotos de como ele é por dentro!

Quanto mais as pessoas souberem sobre seu produto, melhor!

Diariamente, crie postagens não só para anunciar seu produto, mas principalmente para educar seus clientes, para que eles saibam o que seu produto tem de diferente dos produtos dos concorrentes, para que eles saibam as melhores formas de usar.

Dessa forma, a percepção de valor que os clientes tem sobre o produto aumenta, e com isso aumenta também o desejo de compra-lo ou consumi-lo.





Existem muitos vídeos gratuitos na internet com dicas para ir além do que conversamos aqui neste artigo.

Espero que essas dicas sirvam ao menos para dar aquele empurrãozinho que vai fazer você começar a tirar suas ideias do papel e dar o primeiro passo em direção aos seus sonhos!


Nos vemos na semana que vem, se Deus quiser.


Até mais!